Ver Grelha Lista

DESCUBRA NOSSAS AÇÕES AO REDOR DO MUNDO
COM NOSSAS ASSOCIAÇÕES PARCEIRAS

Coeur de forêt

Parceiro desde 2012

Acre - Brasil
Projeto Povos de Floresta

Tree icon30 000 árvores plantadas na Amazônia brasileira
Acre – Brazil

A região do Acre no Brasil ocupa um lugar de primeiro plano a nível mundial pela riqueza da sua biodiversidade, e abriga 70% de todas as espécies conhecidas de palmeiras de toda a Amazônia ocidental. No entanto, a região está ameaçada pelo desenvolvimento de infraestruturas rodoviárias, pela prospecção petrolífera, pela criação intensiva de gado bovino e pelos incêndios causadores de uma perda de biodiversidade e emissores de milhões de toneladas de gás com efeito estufa na atmosfera. Os Kuntanawas, povo nativo da região, lutam desde 2004 pelo reconhecimento e pela demarcação da sua terra para um novo modelo de desenvolvimento sustentável da utilização da floresta.

Desde 2012, foram desenvolvidos três viveiros comunitários que permitem produzir plantas utilizadas para o projeto de reflorestamento, e também fertilizantes biológicos utilizados para a manutenção das árvores. As sementes são recolhidas na floresta de forma a respeitar o ecossistema local. No total, foram replantadas 30 000 árvores de espécies endêmicas de 2012 a 2015.

DESCUBRA NOSSAS AÇÕES AO REDOR DO MUNDO
COM NOSSAS ASSOCIAÇÕES PARCEIRAS

Coeur de forêt

Parceiro desde 2012

Acre - Brasil
Projeto Povos de Floresta

Tree icon30 000 árvores plantadas na Amazônia brasileira
Acre – Brazil

A região do Acre no Brasil ocupa um lugar de primeiro plano a nível mundial pela riqueza da sua biodiversidade, e abriga 70% de todas as espécies conhecidas de palmeiras de toda a Amazônia ocidental. No entanto, a região está ameaçada pelo desenvolvimento de infraestruturas rodoviárias, pela prospecção petrolífera, pela criação intensiva de gado bovino e pelos incêndios causadores de uma perda de biodiversidade e emissores de milhões de toneladas de gás com efeito estufa na atmosfera. Os Kuntanawas, povo nativo da região, lutam desde 2004 pelo reconhecimento e pela demarcação da sua terra para um novo modelo de desenvolvimento sustentável da utilização da floresta.

Desde 2012, foram desenvolvidos três viveiros comunitários que permitem produzir plantas utilizadas para o projeto de reflorestamento, e também fertilizantes biológicos utilizados para a manutenção das árvores. As sementes são recolhidas na floresta de forma a respeitar o ecossistema local. No total, foram replantadas 30 000 árvores de espécies endêmicas de 2012 a 2015.